Arquidiocese de Vitória da Conquista criou o altar virtual dos Santos protetores da COVID-19

Arquidiocese de Vitória da Conquista criou o altar virtual dos Santos protetores da COVID-19

Santa Dulce dos Pobres, primeira Santa baiana é um dos protetores 

A Arquidiocese de Vitória da Conquista visando estar presente entre os numerosos fiéis que diariamente frequentavam suas igrejas, para participarem dos sacramentos, momentos de orações, práticas das devoções populares e das diversas outras atividades pastorais que as Paróquias ofereciam cotidianamente, mas que, impossibilitados de comparecerem dada situação pandêmica que nossa sociedade está vivendo, promoveu duas ações coordenadas para manter a proximidade com os fiéis: A entronização dos Santos Protetores no Altar-Mor da Catedral Metropolitana de Vitória da Conquista e o lançamento do “altar virtual”.

No dia 19 de abril, Domingo da Misericórdia, foram abençoadas as Imagens dos Santos Protetores e a Relíquia de Santa Dulce dos Pobres, exposta para veneração, pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Josafá Menezes da Silva, além, da invocação dos Santos Protetores sobre toda a Arquidiocese. Na ocasião, foi lançada uma Plataforma Virtual, elaborada pela Assessoria de Comunicação e o Setor Juventude, intitulada “Altar dos Protetores da COVID-19”.

“Além dos cuidados médicos, além daquelas coisas que a ciência apresenta, nós queremos trazer para o povo uma proposta espiritual, um consolo, que é uma reunião dos santos”, afirmou o Arcebispo de Vitória da Conquista, Dom Josafá Menezes.

Esta plataforma, foi projetada sob uma guia interativa, onde, com o rolar de tela, o usuário pode visualizar todo o conteúdo e deixar o seu pedido de oração, ou alguma mensagem endereçada ao arcebispo, ou aos padres. E nela, além de pedir por orações, o fiel poderá rezar, juntamente com toda a Arquidiocese, em unidade, com todos cristãos dispersos nessa Igreja Particular, por meio de orações da tradição milenar, ou aquelas que foram elaboradas especificamente para este momento de pandemia.

O Concílio Vaticano II chamou a família de “Igreja doméstica” (LG 11), onde Deus reside e é reconhecido, amado, adorado e servido; e ensinou que “a salvação da pessoa e da sociedade humana estão intimamente ligadas à condição feliz da comunidade conjugal e familiar” (GS 47). Reconhecendo essa realidade, o Altar dos Protetores, tem um caráter ímpar, em favorecer a oração, não só em nível pessoal, como também familiar. Pois é a entronização da Virgem das Vitórias, padroeira dessa Arquidiocese, e os diversos Santos que em tempos de pestes e epidemias foram de grande ajuda ao povo Cristão.

Como Santos protetores, temos:

Nossa Senhora das Vitórias, a Mãe de Deus e nossa, que desde o princípio da cristandade, foi fiel refúgio dos que sofrem. Sob o título da Virgem das Vitórias, clamamos a Ela, o nosso socorro, juntamente com a devoção da Medalha Milagrosa, que muitos fiéis carregam consigo sobre o caráter protetivo de Nossa Senhora;

São Miguel Arcanjo, príncipe da milícia celeste, a quem os cristãos recorrem em tempos de crise, e em especial, ante as insígnias do inimigo que os assolam;

São Sebastião, soldado e mártir, clamado durante a peste. Àqueles que com devoção, recorreram a ele, tiveram livramentos;

Santa Rita de Cássia, viúva e religiosa, é invocada como protetora das doenças contagiosas, porque, em vida, dedicou seus esforços às pessoas atingidas pela pestilência, sem ter sido contaminada. Também é reconhecida como a santa das causas impossíveis;

São Roque, seguindo a máxima evangélica, abandonou tudo que possuía para cuidar dos doentes que padeciam na Itália. Contraiu uma terrível doença, que fez com que fosse expulso do convívio social, e se refugiou numa gruta, onde, um cão diariamente, o levava alimento, e lambia suas feridas, até que se curou totalmente. Curado, retomou suas atividades com os doentes atingidos pelo flagelo;

Santa Dulce dos Pobres, primeira Santa baiana. Durante toda a sua vida, praticou um especial afeto pelos mais necessitados, redobrando o cuidado com os doentes. O fato de termos uma santa conterrânea nas fileiras dos amigos de Deus, enche-nos de esperanças que dias melhores virão. No altar físico, na Catedral Metropolitana, encontra-se uma relíquia Ex-Ossibus (do osso) da Santa Dulce.

Além da plataforma, que pode ser acessada pelo link – https://www.altardigital.com/ os fiéis, podem acessar um e-book com orações contra a propagação da COVID-19 e a paz no mundo, acessando as redes sociais da Arquidiocese: Instagram e Facebook – @curiadeconquista.

 

Texto e foto: Assessoria da Arquidiocese de Vitória da Conquista

Contador de Cliques

Compartilhe!