Reporter Catolico/

Jequié: Clássico da literatura brasileira

-1068

Clássico da literatura brasileira, o romance Anésia Cauaçu, de Domingos Ailton, já inspirou poetas e compositores, é objeto de estudos acadêmicos e conta com projetos de adaptações para o teatro, o cinema e a televisão

Por Valdeck Almeida de Jesus

O romance Anésia Cauaçu, de Domingos Ailton, já se tornou um clássico da literatura brasileira e vem sendo fonte de inspiração e objeto de estudos acadêmicos, base para um telefilme e pode ser adaptado para produções no teatro, no cinema e na televisão.

Anésia Cauaçu é um romance histórico que tem como protagonista uma mulher que esteve à frente do seu tempo. Anésia foi a primeira mulher no sertão baiano de Jequié a ingressar no cangaço, a liderar um bando de cangaceiros, a praticar montaria de frente, já que as mulheres de sua época montavam de lado em uma sela denominada silhão, e a vestir calças compridas (as mulheres do período em ela viveu apenas usavam vestidos e saias), nos momentos de combate para facilitar o enfrentamento de jagunços dos coronéis e das tropas policiais, além de ter sido a primeira mulher branca a lutar capoeira, antecedendo mulheres como Maria Bonita, Dadá e Lídia no cangaço

O livro inspirou o poeta e cordelista José Walter Pires, membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel e irmão do cantor Moraes Moreira a escrever o cordel A Saga de Anésia Cauaçu. Com este mesmo título o compositor e cantor Jonas Carvalho fez letra e música de uma encantadora canção; as poetisas e estudantes do Colégio Estadual Navarro de Brito escreveram a poesia A cangaceira de Jequié e a aluna do curso de Letras da UESB – Campus de Jequié, Rainde Pereira Gomes, produziu o poema A primeira cangaceira; Kalyane Bárbara Oliveira Novaes escreveu a monografia do seu curso de História na UESC com o título Anésia Cauaçu e o cangaço de Jequié e além das fronteiras da Bahia, na Universidade Federal de Alagoas, no Campus do Sertão em Delmiro Gouveia, a licenciada em História Talita Cordeiro Rocha desenvolveu o estudo monográfico A Importância da Mulher no Cangaço: Anésia Cauaçu; alunos Andressa Duarte, Beatriz Cavalcante, Beatriz Ferreira, Heloisa Matos, Rafael Felipe e Henrique Nascimento do Colégio Social de Jequié estudaram e apresentam comunicações, com orientação da professora Karla Carvalho, no evento Conferência Social sobre os livros Figuras Típicas e Religiosidade Popular de Jequié e Anésia Cauaçu, de Domingos Ailton; o Colégio Ideia prestou uma homenagem também ao romancista Domingos Ailton e a estudante Evelin trajou-se de Anésia Cauaçu no evento e na III Edição da Felisquié; a professora Elane Nardotto está trabalhando com seus alunos do IFBA de Jequié a obra Anésia Cauaçu. Recentemente foi habilitado pelo Irdeb o projeto Memória do Sertão de Jequié: A cangaceira Anésia Cauaçu, que tem como proponente a Liberato Produções Culturais, roteiristas a atriz Ingra Lyberato e os jornalistas Domingos Ailton e Judson Almeida e diretor o cineasta Marcelo Rabelo. Caso a proposta seja aprovada, vai se transformar em telefilme documentário na TVE.

Danilo Caymmi deve fazer trilha sonora de adaptações para o cinema e a televisão

Projetos de adaptações do clássico de autoria de Domingos Ailton para o teatro, o cinema e a televisão deverão ser desenvolvidos em 2018. Quem ler o romance Anésia Cauaçu já “viaja” em uma produção audiovisual. “Num ritmo cinematográfico, graças a um texto ágil e descrições riquíssimas de detalhes, ‘Anésia Cauaçú’ leva o leitor pela mão para os desconhecidos sertões e para uma história de mulheres que merece ser contada e que, mais do que isso, precisa ser conhecida”, escreveu a consagrada historiadora e escritora Mary Del Priore.

Contatos estão sendo estabelecidos com o escritor Domingos Ailton objetivando projetos de adaptações do romance Anésia Cauaçu. “É provável que em 2018 projetos sejam desenvolvidos para os palcos teatrais e para produções no cinema e na televisão. Alguns devem ser iniciados e concluídos no mesmo ano, outros devem começar e ser concluídos no ano seguinte ”, revela o romancista Domingos Ailton.

Dentre os projetos elencados, consta uma peça teatral, uma longa metragem para o cinema, um filme de animação e uma minissérie para a televisão.

Quem ficou fascinado pelo romance Anésia Cauaçu, de Domingos Ailton, foi o cantor e compositor Danilo Caymmi. Ele participou da III Edição da Festa Literária do Sertão de Jequié – Felisquié, que tem como curador Domingos Ailton, e na ocasião acompanhou, tocando uma flauta, o cantor Jonas Carvalho que cantou A saga de Anésia Cauaçu. Filho de Dorival Caymmi, que fez belíssimas canções para adaptações dos livros de Jorge Amado e ele próprio autor de lindas e marcantes músicas para produções na televisão como Teresa Batista e Riacho Doce, Danilo Caymmi disse que tem interesse em fazer a trilha das produções de Anésia Cauaçu para o cinema e a televisão.

Contador de Cliques

Compartilhe!